sábado, 17 de janeiro de 2009

A um deus


Hoje não estou em mim.
Estou acima de medos e bloqueios.
Acima de paixões e devaneios.
Acima.
Qualquer coisa me faz sentir coisa alguma.
Não há sorte nem vontade.
Nem sou anciã nem sou menina.
Estou acima.
E mentiras, todas, uma a uma,
são fragmentos de verdade…

Ou estarei a olhar para cima?

Não,
hoje não estou em mim.


17 de Janeiro, 2009

7 comentários:

Anónimo disse...

Gostei muito; às vezes estamos assim, como que em estado de graça e parece que tudo nos surge como uma revelação...Beijinhos
São RoqueSilveira

impulsos disse...

Um poema que me agradou imenso, independentemente de ser crente ou não!
Há dias assim, em que nos sentimos diferentes...

Beijo

sfich disse...

A sensação Experimentada de quem lê, é sentir-se dividido entre a transcendência de quem escreve e o estado d'alma que lhe dá origem...
E depois falta Ary dos Santos, para dizer: «EU NÃO SEI, MEU AMOR, SE O QUE DIZES É TERNURA, SE É RISO, SE É PRANTO»

Gleidston dias disse...

Maravilhoso poema, bem ao estilo que sempre a caracterizou nas andanças pelo luso-poemas,parabens.

Muito bom te reencontrar vou já ti seguir rsss.

Otima semana Diana.

bjsss

*e claro que lembrava de voce sim*

O mar me encanta completamente... disse...

Oi Diana, te acompanho e gosto do que encontro em teu cantinho.

Meu carinho sempre.

Glória

manzas disse...

Por gostar tanto
de ler suas poesias….
Lhe deixo
os meus parabéns,
ao ler me encanto
Por escrever tão bem
Gostei e voltarei...

Sem nada saber
Sem nada dizer
Sem nada falar…
É um simples ser
Que expõem o seu pensar
Proferindo a frase certa…
Ao descrever o seu ver
Distingue-se ao escrever
Como um louco poeta

O abraço…

Luis Bento disse...

Um poema acima de mim...