domingo, 13 de dezembro de 2009

Raiz


Do teu sangue à minha lágrima,
tanta força
quanto medo.
Cada fim de cada alma
tem raiz no seu segredo…

Do meu horror ao teu silêncio,
quão mais velho
tão mais dura.
Noite ou luz por fumo denso
mais engoles, mais loucura…


13 de Dezembro, 2009

7 comentários:

Rafael Castellar das Neves disse...

Muito bom seu texto...mexe com as palavras e sentimentos de um jeito muito gostoso...mexe com o âmago da gente...gostei!

Um Olhar disse...

Os sentimentos são como as raizes, têm um ciclo, mas quando se agarram é para toda a vida.

Bjo doce,

Fatima

Li disse...

Este poema é muito agressivo para a tua pessoa!Olha tenho te a dizer que me vou embora dia 26 e que viajo mais vezes que aquelas que te vejo e isso dá-me vontade de escrever um poema a insultar-te!

sfich disse...

há muito que a tua poesia me impele a versejar; posto que, como diz o poeta, o que não cabe num verso, não cabe em prosa nenhuma.

Vê-se em sonhos submersos
Não sabe como acordar
Quem se adentra nos teus versos
É-lhe difícil voltar

As Chamas do Fénix disse...

Simplesmente brilhante esta cadeia de pensamentos em cima de sentimentos... parabéns.

Uma Grande Chama para ti... beijos

Gleidston disse...

"Noite ou luz por fumo denso"

Um belíssimo momento de inspiração Diana, é sempre um refresco ler-te, parabéns.

Desejo á você e aos teus boas festas e um feliz natal, votos de felicidades p/ voce.

Gleidston C.

ângela marques disse...

Obrigada pela visita e pelas palavras.
Vim e gostei, por isso voltarei com mais tempo.