terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Amar


O céu não chega e eu sufoco
(corre o vento e o tempo morre)
por um vislumbre do teu mar…
Olhos luz com os meus toco
e menos denso fica o ar…


12 de Janeiro, 2010

4 comentários:

sfich disse...

A marca é forte e densa
(encontro a dezasseis anos luz)
O brilho é intenso; espelhado no mar do desespero...
E o ar, esse de tão rarefeito e puro, é promessa de vida e de futuro!

Um Olhar disse...

Belo poema, apaixonado, terno, meigo.

Carinhoso bjo,
Fatima

Li disse...

Eu é que sufoco sem ti.Vês que bonito?

Conceição disse...

tão lindo o que escreves!
beijo
Roque