quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

O Sonho


Ecos de mim inspiram a voz da madrugada…

O que não vivemos, sonhemos.

Expiro…


Vi-me, em sonho, pensar uma vida.
E senti pena por quem ainda
havia tanto para chorar.


7 de Janeiro, 2009

5 comentários:

sfich disse...

A poesia com base no sonho, é a subjectividade dos pontos de fuga quando estes se confundem com o objecto projectado

Um Olhar disse...

Transmite-nos algo de que devemos consentir e tentar melhorar, porque a vida é para ser vivida e sonhada, mas enquanto estamos nela, os sonhos são para se realizar, ou pelo menos parte deles. Beijos!

Fatima

manzas disse...

Abri meus olhos de alma ensopada
Salpicados pelo cheiro da maresia…
Na fina areia molhada o mar me acordava
Num manto de espuma branca, me dizendo… bom dia!

O abraço...

ATRIBUTOS disse...

Voltei e voltei a gostar. Pena a frequência dos "posts" ser tão pouca.


Cumprimentos

José Magalhães

Pat disse...

É pena a falta de tempo que não me permite vir aqui com a frequência que queria e deixar-te as palavras que tu mereces!
Mas é bom ver que em ti nada mudou e que continuas a partilhar palavras, pequenos instantes perfeitos... um refúgio! =)
Muitas saudades*
Pat